Apenas alguns minutos


Me dê alguns minutos, preciso encarar minha vida até agora. Sem demora, comece a me esfaquear, digo que sou culpado de errar, de tentar, e depois de tanto ódio, digo que sim, sou culpado de amar um amor tão tolo, tão perigoso, que podia me fazer penar numa realidade onde apenas o amor deveria importar. E se isso é motivo de culpa, amarre as cordas, aperte-as com firmeza, pode me enforcar, antes morto do que numa eterna destreza. Então cá estou, e peço apenas alguns minutos.


Meus amigos são drogados, mergulhados na própria merda. Alguns se tornaram amotinados, e julgados a uma vida incerta, tão irreal quanto o caminho que os levaram até aqui. Agora os professores declinaram; se tornaram apenas um degrau pisado por governantes. Ainda há resistência, mas a tendência era a paz. Não mais, a vida agora é ser e fazer o que se manda.
Não somos mais jovens, não mudamos mais o mundo, apenas falhamos ao tentar crescer. Os anjos se fora e viram o amor desaparecer. Não sou velho, não posso descansar, e nem sou criança para brincar preocupando-me apenas em ver o tempo passar e indo, e indo, devagar e apressado. Mas que tempo danado.
Então o que posso fazer? O que posso falar? Sim estou prestes a morrer por abstinência, e creio que seja de amar. Não vejo mais sorrisos nas pessoas, nas ruas apenas preocupações; não vejo mais motivo para compor canções, agora elas são banais, tais quais bactérias letais, infectam a sociedade tirando a paz que quem ainda zela por ela. Mas ainda há de se acreditar nas belas canções.
Vejo tantos erros na minha vida; mas se pudesse voltar, voltaria para as mesmas chuvas que me alegravam, ou para as noites de frio, as quais minha mãe esquentava com abraços iguais ao sol. Não voltaria para os erros, não me preocupo em concertá-los, apenas curtiria os acertos, poucos, raros, mas sempre motivo de alegria. E nesse dia estou pronto pra morrer, agora pode puxar a alavanca, pode apertar o gatilho, pois agora que os minutos acabaram, há um sorriso em meu rosto.
Caz Ribeiro, 09/04/2013

14 comentários:

  1. Preciso comprar os direitos desse rapaz, ele é muito bom (ôpa, os textos dele são muito bons, sou casada) hahahaha.
    Adorei, como sempre só respiro quando chego o último ponto.

    Beijos e boa noite!
    clicandolivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que angustiante, hehe.
    Um belo e angustiante texto diga-se de passagem...

    "Os anjos se fora e viram o amor desaparecer."

    Vanessa - Blog do Balaio
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Um belo texto...

    Beijos...
    www.gostofashion.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Que texto lindo, adorei!
    www.espacegirl.com

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que forte esse texto! :O
    Ele é profundo! Gostei! :)
    Beijinhos!
    contornoperfeito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Caramba, me identifiquei muito com esse texto, algumas das coisas escritas não fazem mais parte da minha vida, mas me trouxe um apertinho no coração. Parabéns Jadson :)

    Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  7. Texto bem profundo esse, me senti meio triste lendo hahaha
    Beijos
    http://souseuastral.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. AMEI o texto Jadson. Parabéns.

    Beijos

    Jéssica
    Fashion Jacket - www.fashionjacket.com.br

    ResponderExcluir
  9. É clichê, mas eu realmente gostei muito da crônica, e concordo plenamente quando diz: a vida agora é ser e fazer o que se manda.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Legal o texto. Curto palavras profundas e tristes.
    Beijos e queijo.

    ResponderExcluir
  11. Estou com TPM e até chorei.triste esse texto. pior que não faz muito tempo que percebi que estava andando com amigos de merda como ele.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Que lindo, acho que nos julgam por erros e não veem nossos acertos que acabamos pensando que só fazemos o errado
    beijos

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.