Resenha- Frankenstein- Mary Shelley

SHELLEY, Mary. Frankenstein /uma história de Mary Shelley; contada por Ruy Castro; ilustrada por Odilon Moraes. São Paulo: Companhia das Letras,1994.
Eles o escorraçavam de todos os ambientes como se ele fosse um monstro. Ninguém queria saber de seus sentimentos, nem ligava para o fato de que talvez ele tivesse uma alma. Foi então que ele começou a matar. Bem, vamos ser justos: ele era mesmo um monstro, mas tinha motivos para isso. E foram esses motivos que o tornaram o personagem mais importante da literatura de horror. *Cortesia: Editora Seguinte.



Ficha Técnica
Título original: FRANKENSTEIN
Ilustrador:Odilon Moraes
Tradutor:Ruy Castro
Capista:Silvia Massaro
Páginas:136
Formato:12.00 x 21.00
Acabamento:Brochura
Lançamento:18/08/1994
ISBN:9788571643987
Preço: R$30,00
Compra: AQUI

Notas
Capa:10/10
Conteúdo:10/10
Diagramação:10/10
Conceito Geral:100/100 


A trajetória de um monstro
Por Paloma Viricio 1

Visão Geral

Ninguém será capaz de imaginar as sensações que me impulsionaram em minha tarefa. A vida e a morte pareciam-me limites imaginários, os quais eu romperia para jogar uma torrente de luz sobre o nosso mundo de sombras. E o resultado seria glorioso: uma nova espécie de homens me abençoaria como o seu Criador”,p.18. Esse era o pensamento inicial de Victor Frankenstein, um jovem cientista que decidiu fazer o improvável e criar o que nenhuma pessoa jamais poderia pensar em ver transbordando vida. A criação levou tempo para ficar pronta: dois anos. Quando finalmente o monstro com mais de dois metros e diversas partes de cadáveres ganhou o primeiro sopro, nem mesmo Victor foi capaz de crer no que os olhos dele absorviam.

Frankenstein é considerado o primeiro clássico da literatura de horror e não tem como não gostar. É uma leitura contagiante que irá te fisgar de forma doentia porque é impossível para de ler enquanto as páginas não terminam. “Eu soltara no mundo um ente capaz de espalhar o sofrimento e a morte. E que já fizera pelo menos duas vítimas:meu irmão e eu próprio- seu criador”,p.41. É fato acreditar que esta obra agrade até mesmo aqueles que não são fãs de literatura de horror porque a estória dessa criatura trás muito mais que simplesmente passagens tenebrosas, também pode-se encontrar lições sobre comportamento dos homens, sociedade e preconceito.

Foi escrito por Mary Shelley em 1818, quando a autora tinha apenas 19 anos e publicado dois anos após a data da confecção. Essa versão comerciada pela Editora Seguinte é contada por Ruy Castro, mas não deixa de ser muito boa. A estória de Shelley é um grande feito para a literatura mundial e nos faz refletir sobre as atitudes dos homens e o egocentrismo da raça. Frankenstein pode ser considerado um monstro pela aparência, mas ele tinha sentimentos e não merecia ter sido julgado com crueldade pelas pessoas... é de partir o coração de qualquer bom ser. “Quando me convenci de que aquela era minha aparência, fui invadido por uma amargura que nem todas as palavras poderiam descrever. Mal sabia eu das desgraças que minha deformidade ainda me reservara”,p.67. 

Nessa sociedade onde a maioria julga pela aparência e não pelo caráter, é fácil reconhecer infinitos Frankenstein’s que vivem sendo massacrados e desrespeitados sem nenhuma causa aparente. As pessoas podem ser más! Infelizmente muitos ainda serão excluídos devido alguma deformidade, deficiência ou até mesmo condição social porque o mundo é duro e o ser humano ainda não aprendeu a grande lição de saber respeitar as diferenças. “Eu pusera de lado todo o sofrimento e subjugara qualquer angústia. Para mim, o mal se tornara o bem. Só faltava o ato supremo: a criatura destruir o criador.” Essa criatura que não entende o porque de tanta descriminação, corrompeu-se em um ser mal, porque os outros nunca deram uma chance para que ela mostrasse ou fosse como realmente era inicialmente.  É uma trama dura, dramática, pesada, mas ao mesmo tempo doce e prazerosa de ser lida.

Design e Diagramação
O livro tem letras e espaçamento confortáveis para a visão. É impresso em material pólen. Possuí uma capa simples, mas que combina bastante com o enredo. Além disso, o livro é recheado pelas magníficas ilustrações de Odilon Moraes que dão um toque especial á trama.

Sobre a autora

Nasceu em 1797 e tinha dezenove anos quando escreveu Frankenstein. O livro foi publicado dois anos depois, em 1818, e se tornou o primeiro clássico da literatura de horror. Era filha do filósofo anarquista William Godwin, uma das maiores celebridades de Londres. Sua mãe, Mary Wollstonecraft, foi uma das primeiras feministas da história e autora da Declaração dos direitos da mulher. Fonte: Seguinte.

Licença Creative Commons
O trabalho A trajetória de um monstro de Paloma Viricio foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Obs.: Todos os textos produzidos neste blog são da minha autoria e estão registrados. Se utilizá-los, por favor lembre-se dos créditos.  

19 comentários:

  1. Eu li Frankenstein para um trabalho escolar e confesso que foi um dos livros mais empolgantes e também intrigantes. A imagem que a autora faz do personagem, faz-nos sentir na história, como o próprio Frank.

    Abraços,
    http://www.revolucaonerd.com

    ResponderExcluir
  2. Parece ser muito bom. Me diziam que era péssimo e que dava muito medo. Deu vontade de ler!

    Beijos,
    chuvadeejaneiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Só conheço o livro pelo boca a boca, mas nunca li!
    Espero ter a oportunidade um dia
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  4. Nunca li nada a respeito de Frankestein, flor... interessante sua resenha. beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Minha irmã tem uma versão em inglês, quero muito ler!


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  6. Livro muito interessante *O* Já vi esse personagem em tantas outras obras, mas ainda não tive a oportunidade de ler a obra somente sobre ele.
    Ótima resenha

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oie Paloma =)

    Não conhecia o livro, mas confesso que acho interessante a história de Frankenstein. Li o livro de Mary Shelley, e fiquei bastante surpreendia.

    Espero ter a oportunidade de ler esse livro.

    Ótima resenha!

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  8. Eu odeio o dr. Victor Frankenstein, ele criou um ser, chamou esse ser de monstro e depois o abandonou a sua própria sorte. É incrível como ele se sente puro e bom e enquanto sua criação é classificada da pior forma...

    A Mary Shelley foi sem duvida um gênio, escreveu essa história aos 18 anos e como era culta já com 18 anos, como conhecia a ciência de seu tempo e o pensamento de seu tempo e a própria geografia da Suíça. Sou apaixonada por esse livro e pelo monstro de Frankestein, ele é uma criatura desprezada que fez coisas erradas, mas não merecia as coisas erradas que fizeram com ele.

    Adorei seu ponto de vista Paloma, casa com o meu a repeito dessa história.

    Cheros, Jaci.

    ResponderExcluir
  9. O mais emocionante é descobrir que a autora não tinha nem vinte anos quando escreveu um clássico como este. Preciso lê-lo e preciso ver o filme que irá estrear no cinema, - Felipe (A Hora do Livro)

    ResponderExcluir
  10. As pessoas precisam entender que o corpo humano é apenas uma carcaça, uma capa. Precisam compreender isso porque o que vale mais é o que somos, por dentro, na essência, no âmago do nosso ser.
    Cada um, independente das características físicas ou sociais, precisa ter seu direito assegurado de ser quem é, sem quem lhe aponte o dedo, o ridicularize ou o exclua.
    Discriminar pessoas por essas razões acima citadas é desumano.

    Bela resenha, Paloma. Quero ler esse clássico.

    Um abraço, moça.

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  11. Gostaria muito de ler. Conheço a história, mas nunca li o livro.

    Beijos,
    Carissa
    www.carissavieira.com

    ResponderExcluir
  12. Já vou procurar o meu exemplar, muito bom!

    ResponderExcluir
  13. Gosto de livros assim. Deve ser bom Lominha.

    ResponderExcluir
  14. Já li esse livro e acho muito triste e horas apavorante mas é legal.
    Bjus

    ResponderExcluir
  15. Oie minha amiga linda. Tudo bem? Você escreve muito bem, sabia? Ainda não li esse livro mas é classico e por ser vira leitura obrigatória.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Olá comadre! Esse livro é realmente um clássico do horror e gosto muito da história, acho que li quando tinha 19 anos e nunca mais me esqueci.
    Beijos e queijos

    ResponderExcluir
  17. Olá xarazinha. Parabéns pela resenha e estou gostando do novo formato do blog. Esse livro não faz muito meu estilo.
    Bjks

    ResponderExcluir
  18. Nossa que medooooo. Não sei se leria , serio. Verdade verdadeira esse fato da descriminação na sociedade.
    xoxo

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.