Entrevista com escritora Dhebora Hevelin


Olá meus leitores!O Monólogo de Julieta traz entrevista com a autora Dhebora Hevelin que escreveu o livro Vício Sem fim. Vamos conferir?





Monólogo de Julieta-Como surgiu o desejo de lançar um livro?
Dhebora Hevelin-Quem me conhece sabe o quanto esse sonho é antigo. E, na verdade, eu nunca havia tentando realizar. Era algo que eu achava que ficaria preso apenas em minhas memórias, ou que seriam eternos arquivos de texto salvos num pendrive. Sempre duvidei que as pessoas realmente gostariam de ler algo escrito por mim. Mas com o passar do tempo, muita gente me questionava por quê eu ainda não havia escrito um livro. E eu me fazia a mesma pergunta! Até que, certa vez, encontrei por acaso um papel guardado dentro de uma agenda antiga onde lia-se "Quero ser escritora porque quando a gente escreve, a gente cria um mundo mágico e aí a gente pode morar nele pra sempre". Naquele momento até fiquei emocionada, pois me senti em dívida comigo mesma. Eu deveria ter uns seis ou sete anos quando escrevi esta frase e encontrar essa velha agenda foi o que me fez acordar e sentir a necessidade de pôr em prática tudo o que planejei por tanto tempo. E então resolvi reunir diversos textos que eu tinha registrado... Algumas coisas reescrevi, muitas outras decidi que não publicaria... Mas assim nasceu o "Vício Sem Fim" - uma coletânea de crônicas, pensamentos e poesias que escrevi desde a adolescência até algum tempo atrás. Costumo dizer que são minhas loucuras e minhas mentiras. Há alguns que adoro e outros que são bobos e sem nexo, mas que são meus e que, de alguma forma, têm me acompanhado desde que descobri a mais bela e perfeita união que existe: a caneta e o papel.



Monólogo de Julieta-Ser poeta é?

Dhebora Hevelin-É transformar utopias em realidade. É poder inventar. É ser loucamente livre e livremente louco. É ter a liberdade de poder ser você mesmo e, simultaneamente, ser que você quiser.

Monólogo de Julieta-Você disse que escrever é seu vício e cura. Por quê?
Dhebora Hevelin-Porque representa um hábito que eu sempre tive (vício) diante de situações (reais ou imaginação) que eu gostaria de guardar ou de esquecer (cura). Quando escrevo, não expresso só o que há em mim. Não é só o que sinto, o que penso e o que vejo. Escrever é transformar. É construir um mundo, um espaço, um contexto... do jeito que eu quero. 


Monólogo de Julieta-Essa é sua primeira obra publicada?

Dhebora Hevelin-Sendo totalmente de minha autoria, sim. Mas já tive textos publicados em livros de Projetos de Redação. 

Monólogo de Julieta-Quanto tempo levou para escrever Vício sem fim?
Dhebora Hevelin-Mais ou menos um ano para conseguir reunir tudo o que tinha, selecionar, criar coragem para mandar para a editora e aguardar a resposta. Dentro desse período, o processo de análise do livro junto à editora, incluindo o processo de edição, diagramação, revisão, criação de capa e tudo mais, durou aproximadamente 1 mês.


Monólogo de Julieta-Como surgiu a escolha do nome do livro?

Dhebora Hevelin-Foi inspirado num trecho de uma música do Renato Russo, em que ele diz os seguintes versos: "Se fosse uma bebida eu repetiria a dose, se fosse uma droga eu entraria em overdose. Você é meu vício sem fim."  Provavelmente, estava se referindo a alguém a quem ele amava muito e eu adaptei, referindo-me à escrita.

Monólogo de Julieta-Qual a maior dificuldade que enfrentou para publicar seu livro? Como superou essa situação?
Dhebora Hevelin-Bem, eu não sabia se daria certo investir nesse projeto... Mas resolvi arriscar assim mesmo e então fiz tudo sozinha, sem comentar com ninguém. Acredito que essa tenha sido a maior dificuldade. Acabou que, no final, foi uma grande surpresa até mesmo para mim.

Monólogo de Julieta-Quem confeccionou a capa do seu livro?
Dhebora Hevelin-A equipe da editora.

Monólogo de Julieta-Você ganhou vários prêmios como autora, né? Nos conte um pouco mais sobre eles.
Dhebora Hevelin-A minha escola era participante de um Projeto de Redação realizado em parceria com a Biblioteca Nacional e a Folha Dirigida. Cada ano havia um tema diferente e então eram selecionados alguns textos, dentre várias séries e diversas categorias, para compor o livro do Projeto. E por 5 anos consecutivos meus textos foram escolhidos, sendo que por 2 vezes fui também selecionada para um projeto especial, cujo livro continha textos de alunos de outras escolas da cidade. Participar destes projetos foi algo que me motivou muito e que contribuiu para que eu desenvolvesse ainda mais este meu vício.


Monólogo de Julieta-Como se sente ao saber que foi reconhecida como uma boa escritora mais de uma vez?

Dhebora Hevelin-Sinto que a minha dedicação fez com que tudo valesse a pena. A vontade de aprender e de me aperfeiçoar cada vez mais foi o que me deu a oportunidade de passar por estes caminhos tão maravilhosos. O fato de ser reconhecida não era o que mais me alegrava, mas sim o fato de poder compartilhar meus "mundinhos" particulares com tanta gente.

Monólogo de Julieta-Como busca inspiração para escrever?
Dhebora Hevelin-Eu invento. Simplesmente invento mil coisas. Às vezes uma inspiração leva à outra. Às vezes uma música (ou talvez um filme) me traz imagens que me remetem a lugares, situações, palavras, pessoas... Às vezes o silêncio absoluto é o que mais me fala. Depende muito do dia, do humor, da intenção...


Monólogo de Julieta-Com sente-se com a receptividade das pessoas que leram a obra?

Dhebora Hevelin-À princípio era para ser um "evento" só entre família e amigos... Mas acabou ganhando uma boa repercussão e fiquei muito feliz quando vi amigos de amigos pedindo para que eu autografasse o livro; colegas de trabalho, da igreja, etc... A verdade é que sou envergonhada demais e ao perceber que a notícia havia se espalhado tão rápido, deu vontade de dizer "peraí, gente... não precisa divulgar tanto assim... é um livro simples, falta muito pra eu ser uma escritora de verdade ainda!" rsrs

Monólogo de Julieta-Se o mundo estivesse em um cenário distópico e tivesse que salvar um livro, qual seria? Por quê?
Dhebora Hevelin-A Bíblia. Porque, para mim, é o livro mais importante e belo que existe.

Monólogo de Julieta-Sobre qual tema escreveria um outro livro?
Dhebora Hevelin-Ainda não sei! rsrs Preciso recomeçar todo aquele processo de ideias+coragem.

Monólogo de Julieta-Diga um autor preferido no Brasil? Por quê?
Dhebora Hevelin-Pedro Bandeira. Um dos primeiros livros que li na vida, foi dele. E também foi o primeiro pelo qual me apaixonei. " A marca de uma lágrima". Ele é um grande exemplo para mim. Tive o prazer de conhecê-lo numa Bienal no RJ e tenho até hoje seu autógrafo guardado.

Monólogo de Julieta-Diga um autor estrangeiro preferido? Por quê?
Dhebora Hevelin-Sidney Sheldon. Um dia quero escrever como ele! rs Ele é excepcional. Consegue reunir vários gêneros literários em uma só história. Os livros dele são daqueles que te prendem do início ao fim e ainda te deixam com vontade de ler tudo novamente.

Monólogo de Julieta-Qual a dica que você daria para futuros escritores?
Dhebora Hevelin-Nada existe sem que haja um começo.

Monólogo de Julieta-Para encerrar gostaria de fazer um bate e volta com você.
Dhebora Hevelin-
Uma pessoa: Pode ser duas? Pai e mãe. 
Um desejo: Poder deixar algo de bom ao mundo.
Um livro: A Bíblia.
Uma música: Deborah - Vangelis
Uma comida: Massas
Uma bebida: Água
Uma frase: O rio não discute com o obstáculo, nem reclama, nem se vê fraco diante dele. Ele simplesmente o contorna.
Animal de estimação: Cachorro
Filhos: Quero ter 3
Dinheiro: Necessário, porém não é essencial.
Felicidade: Minha família
Fama: Nem sempre é algo positivo
Religião: Deus, independente de religião.
Blogueiros: São também escritores.
Falsidade: Intolerável.
Poesia: É arte. Uma das mais fantásticas artes.

Contato
http://dheborahevelin.wix.com/viciosemfim

È autor ou tem um blog e quer ser entrevistado pelo Monólogo de Julieta? Basta enviar um mensagem pela página Contato através do formulário. 

12 comentários:

  1. Paloma muito legal a entrevista, deve ser muito bom entrevistar as autoras de livros, adorei as respostas e escolhas de respostas do bate e volta dela, beijinhos amiga

    ResponderExcluir
  2. Gostei que o nome surgiu de uma musica do Renato.
    Beijos e queijos

    ResponderExcluir
  3. Legal, mas não tenho interesse no livro.
    bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei muito emocionada com a 1ª resposta do bate e volta, pois sou a mãe dessa linda, meiga e sábia escritora... Gostaria de agradecer a Deus por ter sido privilegiada em poder chamá-la de FILHA. Obrigada por vc existir! Eu te amo incondicionalmente! vc é a razão do meu viver! Sinto-me muito orgulhosa de vc minha sargento e escritora amada!!!

      Excluir
    2. Fiquei muito emocionada com a 1ª resposta do bate e volta, pois sou a mãe dessa linda, meiga e sábia escritora... Gostaria de agradecer a Deus por ter sido privilegiada em poder chamá-la de FILHA. Obrigada por vc existir! Eu te amo incondicionalmente! vc é a razão do meu viver! Sinto-me muito orgulhosa de vc minha sargento e escritora amada!!!

      Excluir
  4. Parabéns Princesa!!! Você está colhendo os frutos do seu talento e do seu esforço! Você é muito especial! Bjão do Guh ;)

    ResponderExcluir
  5. Parabéns Princesa! Você está colhendo os frutos do seu talento e esforço. Que Deus continue te abençoando! Você é muito especial! Bjão do Guh ;)

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia a autora. Adorei a entrevista.
    Destaco uma frase dela: "Às vezes o silêncio absoluto é o que mais me fala".
    Desejo sucesso a ela. Também gosto muito de poesia.
    Beijos!

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Parabéns para as duas. Òtima entrevista e respostas perfeitas.
    bjs

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.