Em defesa dos fãs de Draco Malfoy


J.K Rowling publicou uma biografia do Draco Malfoy em conjunto dos seus pensamentos sobre o personagem, em que ela ressalta que o seu propósito ao criá-lo foi mostrar um personagem com características de bullyings, cruel e frívolo.

Certamente, ela deve ter passado algum tempo pelas muitas páginas de fanfics dedicadas ao Draco no Fanfiction.net para escrever isso, pois fez questão de destacar que tem o dever de apontar para tolas garotas iludidas o tipo de pessoa horrível que Draco é.

Nas palavras da própria escritora:
Por isso tudo, Draco continua a ser uma pessoa de moral duvidosa nos sete livros publicados, e por muitas vezes tive razão para ficar nervosa pelo número de meninas que se derreteram por esse personagem em particular (embora eu não descarte o apelo de Tom Felton, que interpreta Draco brilhantemente nos filmes e, ironicamente, é a pessoa mais legal que você poderia encontrar). Draco tem todo um glamour sombrio do anti-herói; as meninas são muito aptas a romantizar essas pessoas. Tudo isso me deixou em uma posição nada invejável de despejar o frio bom senso nos devaneios fervorosos dos leitores, dizendo a eles, bastante severamente, que Draco não estava escondendo um coração de ouro sob todo aquele sarcasmo e preconceito e que, não, ele e Harry não estavam destinados a se tornar melhores amigos.”

Eu entendo que ela esteja preocupada com a romantização de um de seus vilões, porém não se deve humilhar os seus fãs dessa maneira. 

A série de Harry Potter é cheia de personagens com personalidades dúbias, anti-heróis, como Sirius Black, vilões cativantes, como Draco e Tom Riddle, e anti-vilões, e nesta categoria se encaixa Severus Snape. E só isto é o bastante para incitar a imaginação dos fãs, que se apropriam da história para criar as suas próprias. Este é um movimento cada vez mais comum, que pode ser observado, sobretudo, através das fanfics. A partir do momento em que se publica um livro, um conto, qualquer tipo de história, esta não mais pertence somente ao autor, pois cada leitor terá uma interpretação diferente dela, e é direito seu expô-la. 

Da mesma forma que compreendo a preocupação da J.K., compreendo o apelo forte que Draco possui. Ele é um personagem interessante, pois, antes da publicação de sua biografia, tínhamos pouca informação sobre sua infância, seus anos na escola e seu futuro, além do que era mostrado pelo olhar de Harry (que está sujeito a juízos de valores e distorções). Os fãs procuraram preencher essas lacunas com as suas interpretações, que estão baseadas, claramente, no sucesso que anti-heróis e vilões possuem em nossa época. Eles costumam ser mais cativantes e interessantes que os heróis, porque eles possuem um sofrimento maior, mais próprio, e uma personalidade que pode oscilar entre características redentoras e más ações, o que os fazem parecer, para nós, mais humanos que o mocinho da história.

Ouso dizer ainda mais isto: Uma pessoa pode, sim, adorar um personagem sem, necessariamente, fingir esquecer ou criar desculpas para as más ações dele. E, se existem pessoas que shippam o Draco com a Gina, o Harry, a Hermione, quem quer que seja, é por causa da paixão que todos nós temos por relacionamentos dramáticos e tempestuosos, um mal herdado desde que Romeu e Julieta apareceu neste mundo.

Isto que falo não vale somente a ele, vale para qualquer personagem. O autor pode ter uma visão sobre ele e trabalhar em cima disso, mas é o fã que a interpretará da forma que mais lhe convier. E não acho que seja justo com ele que o autor fale que esta sua interpretação seja fruto de “devaneios fervorosos” e que ele está errado em “distorcer a verdade dos fatos”. Não existe nenhuma verdade universal, sobretudo nos livros. Desejar que isto exista, para mim, seria a pior das ditaduras.

Postagem feita por:

Isabelle, pseudo-escritora, sonhadora, tento fazer poesia, mas acabo aglutinando demais minhas palavras e tudo vira prosa com toque de melancolia. Deixe-me, que ainda estou aprendendo o ofício. Tenho 18 anos vividos como um sopro e aquela sensação ruim de que tudo está acontecendo rápido demais. Fora isso, gosto de música, de livros, de filmes e de todos os clichês de sempre.



Encontre  Monólogo de Julieta  também no:

6 comentários:

  1. Oii!!!

    Assisti a todos os filmes do Harry Potter, e sempre achei o Draco muito chato e sempre fazendo coisas ruins para os outros. Mas acho que a autora não precisava impor uma opinião própria quanto ao personagem, pois existem (acredito) pessoas que gostam dele. Cada um escolhe o personagem que mais se parece para curtir.

    beijos

    http://mundo-restrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olha, o Draco foi, para mim, um personagem de extrema importância para o fechamento da série. Mas nunca tive o prazer de humanizar ele, já que o odiava. rs Agora tipo, a Bellatrix Lestrange foi a diva da série, ela poderia ter matado até o Harry e eu ainda a amaria! kk
    xoxo
    Visita lá Bookmore

    ResponderExcluir
  3. Achei bem interessante o texto da Isa,apesar de não gostar
    dele,mas os fás iram ficar feliz :)
    Beijos
    http://cherrycriis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Concordo também com seu pensamento. O Draco é sim um personagem muito interessante. Geralmente os vilões são mais interessantes que os mocinhos, por terem uma personalidade mais "complexa" por assim dizer, isso acaba dando um chama maior para eles e fazendo com que virem personagens mais romantizaveis pelos fãs e toda essa fantasia que criam envolta deles.

    ResponderExcluir
  5. Acho que todos os personagens são importantes, eu não acompanhei a saga até o final, vi os filmes com o Harry ainda pequeno, depois enjoei e naõ vi mais.. sou mais de sagas românticas. Mas acho que a saga precisa continuar com o "ar" que sempre teve, se não perde a graça.. né?

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente que quando um autor escreve um livro e publica ele está pegando a estória (ou mesmo a história) dele e está abrindo para interpretações diversas, de todos os tipos de mentes e gostos. O Draco DO FILME em certos momentos age de maneira a sentirmos pena dele, como se ele fosse oprimido pelo pai, ou como se ele agisse daquela maneira simplesmente por influência do pai, contudo, no livro o que eu vejo (pelo menos até agora, no cálice de fogo - o que li por último) ele se mostra realmente uma má pessoa, e eu não gosto dele; quanto ao sofrimento que os vilões normalmente sofreram na vida e deixa as histórias deles mais interessantes, acho que nenhum personagem sofreu mais do que o Harry, com todas as perdas que ele sofre. Mas óbvio que várias meninas vão se apaixonar por ele ou criar afeição por ele, principalmente por causa dos filmes. Mas eu concordo plenamente com você, ela não deve querer que os fãs tenham a mesma imagem dos personagens. Cada um cria a sua própria imagem dos personagens.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.