Resenha- O bosque das Cerejeiras-Washington Albuquerque

O Bosque de Cerejeiras - Um guerreiro manchará sua honra com sangue inocente, mas o destino é implacável, e os demônios do passado voltaram para assombrá-lo e cobrar os seus pecados.
Classificação:
Ficha Técnica
ISBN: B00VEWUNRS
Ano:2015
Páginas: 14
Idioma: português 
Editora: Independente

Notas
Capa: 10/10
Conteúdo: 03/10
Diagramação: 10/10
Nota geral: 50/100

O bosque sombrio
Por Paloma Viricio


Visão Geral

"A mulher se debatia atormentada pela dor insuportável dos ferimentos e do membro amputado. O samurai a encarava sorridente, com aquele semblante insano e familiar. Ele gostava daquilo, ter a vida alheia por um fio, estar no controle, manipulá-la".  Fiquei muito ansiosa ao receber o e-mail do autor Washington Albuquerque disponibilizando o mais recente conto que ele havia escrito... O Bosque das Cerejeiras.  Imediatamente abri o arquivo e me encantei com a rica descrição do autor. Muito me agrada tramas como essa, onde a descrição é tão perfeita que vemos a estória passar em nossa imaginação como um filme. Esse conto me chamou atenção principalmente por causa do título o que me fez  lê-lo no mesmo instante em que o recebi.  E um ponto que achei genial foi o autor ter me prendido logo no primeiro parágrafo. Raramente isso acontece... e não estou em uma fase que aturar leitura lenta seja opção.

Agora não se engane pela capa harmoniosa ou o título encantador. Esse conto eu classificaria mais como gênero horror do que Fantasia. A trama mostra um cenário de guerra onde não existe nenhum tipo de piedade.  E você esbarra em atitudes do Samurai que causam asco. Com isso fiquei extremamente feliz porque tenho certeza que foi exatamente o que o autor desejou passar.  No próprio e-mail ele comentou que O Bosque das Cerejeiras seria uma leitura bem dinâmica e fácil. O que concordo em número, gênero e grau. Tanto que li o conto de forma bem rápida, absorvendo todo o conteúdo sem nenhuma dificuldade.

Só que nem tudo é belo como flores de cerejeira. Está certo que o conto é sobre “fantasia”, mas algumas cenas eram completamente irreais. Parecia que estava jogando Mortal Kombat e via os personagens apanhando e se mutilando sem morrer. E ainda tendo força para lutas impressionantes. Pelo amor de DEUS! Eles eram seres irreais? Dragon Ball Z? Se você se incomoda com violência explícita, esse conto não se encaixará no seu gosto literário. Acho que o autor poderia ter sido mais sutil ao descrever os ferimentos e golpes lançados entre um personagem e outro. Visivelmente notamos o sobrenatural em uma das criaturas. Mas e na outra? Como ele mesmo diz em uma parte do texto "pobre moribundo que merecia o mais ardente canto do inferno". Visto que o samurai não passava de um vulgar assassino, de carne e osso, não veria como um ser humano normal sobreviveria ao passar por muitas das cenas e ainda procurar garra para lutar horrores. Mesmo sendo um soldado que provavelmente tinha forte habilidade com a Katana e experiência em exterminar o adversário. Não estou sendo cruel, essa é uma crítica construtiva, mas com tantos litros de sangue que jorraram de um e outro... quase fiquei com anemia.

Notei alguns errinhos, seria bom se o autor fizesse uma nova revisão no texto. Gostei de como o Albuquerque enxerga a vingança. Concordo que uma pessoa quando tem o objetivo de concluí-la é capaz de mover céu e terra. Qualquer um movido por ela se transforma em uma espécie de demônio.  Inclusive achei perfeito o oferecimento da obra. O autor escreveu o seguinte: "Para minha mãe, que sempre tentou me ensinar a perdoar...Mas a vingança é sempre mais poética". Acredito que ele como todos que saborearam o sabor desse sentimento se identificaram de alguma forma com uma das  personagens.O conto é bom, gostei, mas digo que em partes me decepcionou demasiadamente porque o enredo é bastante previsível.  "As cerejeiras se agitavam com o vento que de leve tocava a face de suas folhas delicadas. O bosque exibia apenas suas cores deslumbrantes, pois um silêncio breve pairava novamente sobre a região. Não era um silêncio comum, era mais doce, mais sereno. Era o silêncio da morte, da sua passagem, era o silêncio da vingança, da satisfação, era o silêncio da dor, da tristeza... Era o silêncio do bosque das cerejeiras".

Sobre o autor

Washington Albuquerque, geminiano bipolar e hiperativo de 92 e Curitibano apaixonado pela arte e pelas pequenas coisas. Caminha ao lado da literatura, cinema, música e artes visuais desde cedo e como autodidata. Apesar do carinho maior pela pintura, a literatura tem dominado cada vez mais a sua vida. Estudante de Publicidade e Propaganda, trabalha como freelancer de Social Media da Editora InVerso. Trabalho também com tatuagem (dermopigmentação). Fonte: Site Oficial do autor.

Licença Creative Commons
O trabalho O bosque sombrio de Paloma Viricio foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.

Obs.: Todos os textos produzidos neste blog são da minha autoria e estão registrados. Se utilizá-los, por favor lembre-se dos créditos.  



Encontre  Monólogo de Julieta  também no:
  FacebookGoogle+TwitterInstagramYoutubePinterest 

5 comentários:

  1. Oi, Paloma! Tudo bem? Eu já li esse conto e confesso que adorei ele! Não liguei muito com esse lance que você citou (de algumas cenas serem irreais), acredito que a intenção era essa e gostei bastante dessa saída tomada pelo Washington. Tudo ficou mais emocionante e eletrizante, sabe? Mas enfim, cada qual tem sua opinião... Adorei a resenha! :)

    Abraço

    http://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu baixei esse conto da Amazon e assim que der vou ler. A capa engana, por ela e pelo nome mais parece um romance hehe. Espero gostar.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Não sou muito fã de contos mas esse conseguiu chamar a minha atenção, fiquei com vontade de ler... e a capa é linda!
    Beijos!
    islary34.blogpot.com

    ResponderExcluir
  4. Oie Paloma =)

    Confesso que pela capa e pelo titulo eu esperava algo mais "light". Temáticas assim não normalmente não me chamam muito a atenção. Até gosto de jogos e desenhos de luta, mas para livros prefiro algo mais leve.

    Ótima resenha!

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  5. A capa linda e o título realmente fazem parecer que é um daqueles "romances" japoneses! Mas curto esse genero terror/horror com muito sangue, e ele deve ter se inspirado muito em ânimes, mangás e filmes da cultura oriental, porque acontece a mesma coisa: o cara apanha, já nao em mais sangue no corpo, ta todo quebrado, mas tá lá lutando. hahaha Mas acredito que seja algo do genero mesmo!

    Beijoos!
    http://diadealice.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.