Resenha- Soldier- Sam Angus

soldier dog sam angus
Angus, Sam. Soldier: leal até o fim/ Sam Angus; tradução Julio de Andrade Filho. – Ribeirão Preto, SP: Novo Conceito Editora, 2015.
Quando Tom Ryder é convocado para lutar na Primeira Guerra Mundial, não imagina o quanto o seu irmão mais novo, Stanley, sentirá sua falta. A única alegria do garoto são os filhotes de Rocket, a cadela premiada que é o orgulho da família. Porém, ao descobrir que Rocket teve filhotes mestiços, o pai de Stanley fica furioso e ameaça afogar os cãezinhos. Inconformado e desejando reencontrar Tom, Stanley foge de casa. Mentindo a idade, consegue se alistar no exército britânico. Somente o amor incondicional pelos animais será capaz de fazê-lo sobreviver à brutalidade e à frieza dos campos de batalha. Uma prova de que a inocência e a sensibilidade podem ser mais poderosas do que a guerra. SOLDIER: Leal até o fim é um livro emocionante e intenso, recomendado para leitores de todas as idades, especialmente para os apaixonados por cães.
Classificação:

Ficha Técnica
Autores: SAM ANGUS
Título: Soldier
ISBN: 9788581634029
Selo: NOVO CONCEITO
Ano: 2015
Edição: 1
Número de páginas: 256
Formato/Acabamento: 16x23x1,6
Peso: 0.35 kg
Preço Sugerido: R$ 31.90
Área Principal: FICÇÃO
Assuntos: DRAMA
Comprar livro Soldier Sam Angus



Notas
Capa: 10/10
Conteúdo: 10/10
Diagramação: 10/10
Nota geral: 100/100


Lealdade e amor
Por Paloma Viricio
dog and man
Visão Geral
Um pega estava passeando no mato imediatamente em frente, suas penas iridescentes e densas se destacando ao brilho árido do sol, um brilho malévolo em seu olho carnívoro. Cada dia tinha sido mais quente e mais branco do que o dia anterior, a planície ficando mais ameaçadora, mais agourenta a cada hora que passava, enquanto os dois inimigos se observavam, cada um temendo o ataque do ao outro, que sabiam que viria, mas não sabiam quando”, p.122. O que seria de um homem sem o seu melhor companheiro? Vazio! Nada mais do que os destroços esquálidos do final de uma guerra.

Na porta, com uma mão no bolso, Stanley parou para olhar a sala pela última vez. Viu o apito na cadeira. Da veria o apito que o filho tinha feito para ele, talvez pudesse enxergar ali todo o amor e toda a esperança que ele havia destruído. O apito na caixa de fósforos, aquele que ele manteria consigo, para sempre, como lembrança de Soldier”, p.49. Stanley é um jovem que possui família desestruturada. Após a morte da mãe, o pai trona-se completamente rude e sombrio. Só o que lhe resta é amor dos animais e do irmão mais velho que está em um campo de batalha. Após grande desilusão provocada pela figura paterna,Stanley, decide seguir o mesmo caminho do irmão. O menino então parte para as trincheiras francesas de 1917.

Um livro simplesmente SENSACIONAL. Confesso que não gosto muito de livros sobre Guerra porque o cenário é devastador, muito drástico. Se é para ver sangue, prefiro as distopias, horror e terror. Porém, solicitei o livro Soldier pelo fato da trama envolver cachorros. Vocês já devem ter lido em postagens anteriores que amo animais. Isso não é segredo para ninguém, então resolvi dar uma chance. O que ao concluir a leitura tornou-se meu grito de vitória. Se não tivesse lido esse livro apenas pelo fator guerra, teria me arrependido por perder algo tão magnífico como ele é. “Ele se sentiu melhor por estar com Hamish, sentiu-se melhor pelos ovos, pelas batatas fritas, pelo pão crocante e quente e pelo leite que não era em pó, mas sua mão continuava escorregando pelo lado e, no lugar do grande crânio quadrado de Bones, lá estava esse animal de peras compridas, leve como um sussurro ou uma sombra, e sempre ao seu lado”, p.161.

As personagens são contagiantes. Você começa ler e quando vê está completamente envolvido com o enredo, além da história de vida mostrada. Stanley foi meu preferido. A sensibilidade dele, o amor aos animais, o fator coragem e decisão... tudo isso fez com que eu lesse o livro cada vez mais rápido porque queria saber o que aconteceria na cena seguinte. A escrita de Angus é divina. Começava lendo, quando percebia já tinha absorvido mais quantidades de página do que consigo ler diariamente. Foi um livro que mexeu com meus sentimentos, abalou a minha compaixão de diversas maneiras.

Fico sem palavras para demostrar todo o amor que os cães tem por seus donos.  Acredito que nem preciso porque é algo que vemos nos olhos deles. Realmente são leais até o fim.  Essa amizade e companheirismo não encontra-se tão facilmente em outra espécie, principalmente entre a raça humana. Um livro emocionante, histórico, encantador. Chorei! Chorei! E não tenho vergonha de confessar. O crescimento dos personagens é um fator muito interessante também que vale ser visto. No final você confere uma lista de outros livros sobre a guerra e o uso dos cães como auxiliadores nas trincheiras. Angus pesquisou demasiadamente, se inspirando em herói reais. Pode ler sem medo. “De cada lado os homens gritavam para o cão. Homens adultos, os mesmos homens que tinham visto seus companheiros morrerem e com os olhos secos de lágrimas, esses homens que tinham estado tanto tempo longe de mulheres ou crianças ou de qualquer tipo de ternura, eles eram levados às lágrimas por um cachorro arrastando a perna quebrada através de uma tempestade de fogo”, p.213.

Design e Diagramação
A capa do livro é muito fofa. Quem olha logo se encanta com o cachorrinho, mesmo tendo um fundo que remete á guerra. O livro é dividido em três partes. As letras e espaçamento são confortáveis para a visão. O miolo é impresso em papel pólen. 

Sobre a autora

Nasceu na Itália, cresceu na França e na Espanha e estudou nas mais diferentes escolas. Na Trinity College, em Cambridge, onde se graduou em Literatura Inglesa, Sam cuidava de um cachorro até descobrir que ele havia sido levado embora em um cesto de roupa suja. Ela lecionou Inglês, passou dez anos trabalhando com moda e hoje é escritora em tempo integral. Sam vive entre Exmoor e Londres com uma quantidade insensata de crianças, cães e cavalos. Fonte: Editora Novo Conceito.
Licença Creative Commons
O trabalho Lealdade e amor de Paloma Viricio foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.
Obs.: Todos os textos produzidos neste blog são da minha autoria e estão registrados. Se utilizá-los, por favor lembre-se dos créditos.  



Encontre  Monólogo de Julieta  também no:
                                                           FacebookGoogle+TwitterInstagramYoutubePinterest 

3 comentários:

  1. Quero esse livro :D :D
    Loma amiga, melhoras!! E da-lhe suquinho de laranja =]
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Parece ser uma história meio triste, me deu um nó na garganta, quando ele quis afogar os filhotinhos :(

    Volta logo Paloma!!!!!

    Beijo
    http://www.portiprati.com/

    ResponderExcluir
  3. Lominha querida, que saudade! <3

    Desculpe a minha ausência, cuidar de criança pequena não é fácil - mas é uma delícia. Também me envolvi num projeto de canal literário e estou aproveitando o tempo livre - escasso - que arrumo para escrever.

    Que livro lindo! Eu também evito histórias que envolvem guerras pelo mesmo motivo. Eu choro muito... É terrível. Até os filmes eu deixo de assistir por isso. E essa história ainda envolve cachorrinhos... É pra se desaguar mesmo, amiga.

    Amei te visitar! <3

    Beijos,

    Isie Fernandes - [Resenha + Sorteio] Canal Apologia das Letras

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.