Resenha- O Corvo- Edgar Allan Poe

the raven edgar allan poe
Edgar Allan Poe é considerado um dos mais influentes escritores da humanidade – seu poema “ O Corvo” é um eterno sucesso de público e crítica. Esta edição apresenta um novo ponto de vista sobre o mais famoso poema de Poe. A tradução inédita de Luiz Antonio Aguiar e seus comentários combinam com maestria com a interpretação contemporânea do ilustrador Ryan Price. Nesse encontro inusitado, espelham-se o suspense e o esmero de composição característicos de Poe, precursor de diversos gêneros literários, como o fantástico, o gótico, a novela policial e a ficção científica.

Classificação:

Misterioso, romântico, perturbador
Por Paloma Viricio


Como me encanta ainda? Será apenas horror ou poesia? Edgar Allan Poe, o mestre do horror. Fez do Poema, O Corvo, um mito, um amor iludido. A dor de se perder alguém.... a incerteza da existência. E quem seria então O corvo que pronuncia exaustivamente Nunca mais? Seria ele a alma cansada, lagrimejada e sangrenta de seu admirador? Ou apenas a saudade lhe sufocando a alma sem nenhuma piedade? “E o Corvo não foi embora: lá ficou, lá se demora, pousado no busto branco de Palas, sobre os umbrais, com a aparência tristonha de algum demônio que sonha; e a luz no piso desenha seus contornos fantasmais; e eis que, perdida, minha alma dos contornos fantasmais se livrará – nunca mais!”

A primeira vez que tive contato com a escrita de Poe, foi ao ler Histórias Extraordinárias . Viajei demasiadamente na loucura do escritor, na forma forte e apaixonada como ele descrevia o sentido das personagens. Não deu outra... Poe tornou-se um dos meus escritores preferidos. Aliás, inspiração, também, na confecção de muitas poesias do meu livro (Poesias que Sangram). Entretanto, na primeira obra lida (acima citada) não incluía o Poema O Corvo (1845). A curiosidade apenas servia para enraizar o desejo, tornando-o ainda mais avassalador em minha mente. Foi quando conversando com meu amigo, poeta, Samuel Balbinot, que  tive a  oportunidade de ler , O Corvo, como um presente que o mesmo enviou para minha pessoa com muito carinho. Eu amei.

Depois fiquei sabendo que existiam várias versões do poema. Não me canso de ler. Essa invasão pessoal, sombria e romântica da personagem principal é enlouquecedora. A versão que resenho não é uma das melhores. A diagramação está perfeita, as ilustrações do corvo (feitas por Ryan Price) são sensacionais, mas a tradução de Veio Libri / Luiz Antonio Aguiar não me agradou muito.... Enfim, a melhor versão que li até hoje foi traduzida pelo mestre Machado de Assis. A construção poética de Poe é perfeita. Causa asfixia no leitor toda vez que o ser carrancudo responde 'Nunca Mais'! É lembrar que perdemos diversas vezes na vida, que nada volta e que devemos aprender a viver com a dor. Uma consciência perturbada pode abalar qualquer estrutura. Um coração dilacerado abala a alma. O que é a consciência senão o espelho da alma? É um poema que vale ser lido e refletido nesse Halloween. (Resenha um pouquinho atrasada, mas ainda está  valendo, rsrs ).

Sobre o autor
Edgar Allan Poe
Edgar Allan Poe (nascido Edgar Poe; Boston, 19 de Janeiro de 1809 - Baltimore, 7 de Outubro de 1849) foi um autor, poeta, editor e crítico literário americano, fez parte do movimento romântico americano. Conhecido por suas histórias que envolvem o mistério e o macabro, Poe foi um dos primeiros escritores americanos de contos e é considerado o inventor do gênero ficção policial, também recebendo crédito por contribuição ao emergente gênero de ficção científica.Ele foi o primeiro escritor americano conhecido a tentar ganhar a vida através da escrita por si só, resultando em uma vida e carreira financeiramente difícil. Fonte: Wikipédia.
Licença Creative Commons
O trabalho misterioso, romântico, perturbador dPaloma Viricio foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.
Obs.: Todos os textos produzidos neste blog são da minha autoria e estão registrados. Se utilizá-los, por favor lembre-se dos créditos.  



Encontre  Monólogo de Julieta  também no:
                                                     FacebookGoogle+TwitterInstagramYoutubePinterest  

2 comentários:

  1. Que maravilha de resenha, hein?! Esse poema na tradução do Machado é sensacional, mesmo! A presença do corvo é muito perturbadora nesse poema, ao lê-lo, sempre lembro-me do famoso " ...tinha uma pedra no meio do caminho / no meio do caminho tinha uma pedra ..." algo que está muito presente na vida do eu-lírico e que não sai da sua mente. Não sei se você entendeu a minha relação (Nunca mais X a pedra)..

    Enfim, genial!


    Beijinhos, Hel.

    http://leiturasegatices.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Paloma,
    Adorei a dica...preciso inserir mais do autor nas minhas leituras.
    E tenho curiosidade com esse poema.

    tenha uma ótima sexta
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.