Resenha- A mentira do Glúten- Allan Levinovitz

Um trabalho revolucionário de jornalismo científico que acaba de vez com os mitos que dominam as dietas. O estudo mostra aos leitores como livrar-se da culpa e começar a saborear a sua comida novamente.Um livro que certamente gerará muita controvérsia sobre a obsessão que temos em saber quais alimentos são mais adequados para nossa saúde.Liberte-se da culpa e comece a saborear a sua comida novamente.Glúten, Sal, Açúcar e Gordura. Esses são considerados os vilões das dietas – ou pelo menos é isto que alguns médicos e nutricionistas querem que você acredite. Mas a ciência está muito longe do consenso e estamos em uma busca frenética para eliminar o trigo e o xarope de milho das nossas dietas, simplesmente porque fomos enganados. A verdade é que a maioria de nós pode recolocar os seus pães de volta na mesa, juntamente com seus hambúrgueres e ainda sim, ficarmos bem. A Mentira do Glúten, será a resposta para muitas de suas perguntas. Cientistas e médicos, por mais incrível que pareça, ainda não possuem um consenso sobre que tipo de nutrição seria a mais adequada para cada tipo de pessoa, embora, principalmente os americanos, gastem bilhões de dólares e inúmeras horas obcecados em “comer direito”. Nesse trabalho de vanguarda, Alan Levinovitz expõe os mitos por trás das crenças difundidas de porquê algumas comidas são saudáveis e outras são ruins – indicando o caminho para uma vida verdadeiramente saudável, livre de culpa e ansiedade em relação aos nossos hábitos alimentares.
Classificação:
Ficha Técnica
ISBN-13: 9788568014165
Ano: 2015
Páginas: 280
Idioma: português 

Notas
Capa: 10/10
Conteúdo: 9,0/10
Diagramação: 10/10
Conceito Geral: 9,5/100

O medo do Glúten
Por Paloma Viricio
affraid-food
Visão Geral
Pode colocar os pãezinhos em cima da mesa ou saborear um brioche no café da manhã sem culpa. E pode acreditar, você não irá morrer por isso. A não ser que por algum azar do destino, se engasgue. A mentira do Glúten cai por terra, a partir, de pesquisas científicas de Alan Levinovitz. A forma de escrita de Levinovitz é bastante suave, mesmo falando de assuntos teóricos, o que faz o leitor sentir como se estivesse vendo um documentário.  E ele não tem papas na língua. Desmistifica as bobagens jogadas por ai com excelência e mostra através de pesquisas e dados sobre o que está falando. “A maioria das crenças sobre o glúten, a gordura, o açúcar e o sal tem pouca base em fatos e tudo a ver com um poderoso conjunto de mitos, superstições e mentiras que, apesar dos progressos científicos moderno, permanecem inalterados há séculos”, p.14. Ao ler o livro e conhecer os casos que Levinovitz pontuou, pensei em como a maioria das pessoas são enganadas e manipuladas de forma tão fácil. O trabalho de pesquisa de A mentira do Glúten foi muito bem elaborado, costurado em uma linha perfeita composta por argumentos bastante sólidos.

Em A mentira do Glúten, o autor não esclarece somente mitos sobre o glúten, mas também sobre o consumo de sal, açúcar, gordura e carboidratos. A comida é para as pessoas contemporâneas o bicho papão mais assustador de todos os tempos. Grande maioria está com medo de comer, acaba se privando de vários alimentos porque são considerados do mal, principalmente pelo sensacionalismo da mídia. Não é nenhum absurdo ver pessoas achando que se comerem um pedaço de salsicha, por exemplo, irão ficar com algum tipo de câncer terminal. Ou então, uma bomba de chocolate pode ser o sinônimo de uma bomba atômica para o organismo. Agora, torna-se absurdo uma pessoa ir na padaria de manhã e se deliciar com um sonho ou pão doce. Onde fomos parar? Hoje é raro alguém saborear uma guloseima sem culpa ou vergonha por estar se “auto-suicidando”. Engraçado, como a própria demonização do corpo pela sociedade é algo totalmente absurdo. É bonito ver meninas abaixo do peso, comendo, vomitando e cada dia mais cadavéricas. Agora, uma moça mais gordinha é taxada, discriminada se está de biquine na praia.

Ele sugere que a causa do alargamento das cinturas e explosão de corações na América não é necessariamente o que comemos, mas como  comemos- de forma ansiosa, obcecados com a nutrição, contando calorias, esquadrinhando os rótulos dos alimentos , eliminando alimentos e então os comendo compulsivamente. Vigiamos o que entra em nossa boca à custa da vigilância sobre o que acontece em nossa mente, evitando comer porcarias enquanto consumimos má ciência de forma compulsiva”, p.26.  Pessoas que não possuem tolerância á lactose, fazem uso de enzimas para que o corpo não absorva a substância, somente porque não querem engordar ao comer um brigadeiro. Essas atitudes, me causam, no mínimo desprezo, raiva e revolta. E sabe porque eu sinto tudo isso? Porque eu também era assim. Eu deixava de comer um docinho em uma festa, eu deixava de comer uma pizza ou uma feijoada por medo de me tornar ainda mais “gorda x feia” para os outros. Eu tinha vergonha da aparência que refletia no espelho, porque eu mesma não dava valor para a minha imagem, me achando inferior por estar acima do peso. Entretanto, quem não se permitia ver no espelho não era a sociedade manipulante e sim eu mesma. Eu anotava tudo que comia em um caderninho, não me permitindo ultrapassar determinada quantidade de calorias por dia. Eu queria emagrecer, inicialmente deu certo, mas depois eu comia compulsivamente e acabei engordando ainda mais. Porque nessas substituições loucas eu deixava de comer determinada porção de arroz, por exemplo, para comer chocolate. Acabei aumentando minha glicose e pegando uma anemia. Ainda bem que acordei cedo e vi a burrada que estava fazendo. O proibido é o melhor dos desejos e nem todos conseguem fugir dele.

Foi ai que resolvi dar um basta, ser feliz, comer de tudo, mas de forma correta. É isso que Levinovitz tenta mostrar com A mentira do Glúten e toda sua irônica e ácida crítica. É possível comer de tudo, na medida certa, fazendo reeducação alimentar em vez de dietas doentias. “Comer com moderação tem sido a monótona recomendação do senso comum há milhares de anos, e, a esse sábio conselho dietético, tanto religião quanto ciência não acrescentam praticamente nada que resista a uma análise rigorosa. Pessoas que dizem o contrário estão, na melhor das hipóteses, exagerando evidências e lembre-se: na ciência, exagero é uma mentira deslavada”, p.24.

O livro é sensacional, mas a parte que mais gostei foi sobre o açúcar. Descobri vários fatos, inclusive históricos, bastante interessantes sobre “a peste branca”. Por exemplo, não sabia que o açúcar antes era artigo somente para a elite e que depois, ao se popularizar, tornou-se algo tido com vulgar, para os fracos. As embalagens de chocolate, quase sempre, vinham com imagens de mulheres sensuais e atrevidas. Simbolizando que a audácia de comer chocolate, seria mais ou menos, como fazer sexo em público. O açúcar passou a representar um prazer tão carnal quanto  o do sexual. Isso seria por que os dois liberam a substância de prazer no nosso organismo (endorfina)? Ou apenas por fundamentos supersticiosos? Acredito que seja porque as pessoas não se permitem viver! “Mas a demonização do açúcar retrocede muito além dos desafortunados ratos de John Yudkin.  O açúcar foi rotulado de viciante e tóxico antes dos exames cerebrais e da epidemia de obesidade infantil. As razões para a sucrofobia sempre tiveram pouco a ver com ciência e tudo a ver com moralismo, superstição e medo puritano de prazeres  pecaminosos”, p.103.

Lembrei ainda de um episódio polêmico de Os Simpsons (Margie Agridoce) onde,Homer, convence á todos que engordem monstruosamente para que consigam entrar para  um livro de recordes como a cidade mais gorda do mundo. Só que Margie não acha essa atitude nada legal, ela vê que as pessoas estão tornando-se viciadas e processa a industria de açúcar de Springfield. Margie ganha a causa, fazendo com o que todo e qualquer tipo de açúcar seja banido da cidade. Isso, faz com que “a peste branca” torne-se uma espécie de droga, vendida ilegalmente. “Pão, o esteio da vida, é, na verdade, o esteio da morte. A ciência, dizem, é clara: toda vez que você bebe uma cerveja ou come uma tortilha de farinha está envenenando-se com uma  toxina mais viciante e perigosa do que a cocaína”, p.30. Achei bastante interessante porque  o que acontece na vida real é algo muito parecido. A solução, ao meu ver, não é tratar o açúcar, o sal, a gordura, o glúten, como uma droga e sim consumi-los na medida certa. Já que, tudo que você ingerir em excesso acabará te viciando. No final das contas, não são os alimentos que vão te matar e sim você mesmo.


Sem dúvidas A mentira do glúten é um livro excelente. Portanto, se você quer saber a verdade sobre o consumo dos alimentos e como eles realmente afetam seu organismo, esse livro, é uma boa pedida. Não permita ser manipulado por superstições ou achismos. A ciência nutricional é mais complexa e complicada do que você imagina porque o ser humano também é. Ás vezes, uma dieta que você faça não surtirá bom efeito no organismo de outra pessoa e vice-versa. É preciso se alimentar com consciência, sem preconceitos e ser feliz. Muito bom! Leitura indicada!

Design e diagramação

O miolo é impresso em papel pólen, agradável para leitura. As letras apresentam-se em tamanho e espaçamento aconchegantes. As divisões dos capítulos estão bem elaboradas  e os títulos e subtítulos corretamente organizados, auxiliando a leitura e futuras consultas ao temas propostos. A capa foi elaborada por Pâmela Siqueria e ficou bastante atrativa, harmoniosa, mil vezes melhor que a capa estrangeira.

Sobre o autor

Alan Levinovitz é professor assistente de religião na James Madison University. Seu trabalho acadêmico concentra-se no pensamento chinês clássico, a filosofia de jogo, e a interseção da religião e medicina. Como estudante, ele estudou filosofia e religião na Universidade de Stanford, recebendo seu PhD em religião e literatura na Universidade de Chicago Divinity School. Allan,  já teve trabalhos divulgados em diversas revistas acadêmicas. Vive em Charlottesville, Virginia com sua esposa, sua filha, e um gato. Fonte: The Gluten Lie.

Licença Creative Commons
O trabalho O medo do Glúten de Paloma Viricio foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.

Obs.: Todos os textos produzidos neste blog são da minha autoria e estão registrados. Se utilizá-los, por favor lembre-se dos créditos.  

20 comentários:

  1. O livro aborda um assunto muito atual e sem dúvidas super interessante. Ótima dica! Tenha um final de semana abençoado, beijos.

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oii Paloma, tudo bom?
    Acho que o importante em tudo que a gente faz é não exagerar. Eu já tentei seguir dietas, mas não consigo! E concordo com você, não devemos acreditar em tudo que a mídia fala. É incrível ver quantos transtornos essa obesessão pelo corpo perfeito pode causar tanto em pessoas magras quanto em não tão magras. É incrível e triste ver o que estamos fazendo com nós mesmo
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
  3. OI!!!
    Menina que interessante!
    Eu aqui lendo em não comer glúten por vários motivos aí vem esse moço e vira tudo de novo minha cabeça hahahahahaha
    Eu acho que o que faz mal é o excesso sabe, povo (inclusive eu), não manera nas coisas, é isso que faz mal né.
    Eu comeria 3 pães franceses na BOAAA de manhã, e é pra comer apenas 1.
    E brigadeiro de festa? A gente chega a colocar (socar) no copinho plástico pra levar pra casa... aí tem que fazer mal mesmo né.

    Beijos

    Post Novo!

    http://momentosdemodaebeleza.blogspot.com.br/

    Instagram: @caauuziinhaa (Claudia Victória)
    Página: http://www.designclaudinha.xpg.com.br
    Canal Youtube: https://www.youtube.com/user/claudiavictoria79

    ResponderExcluir
  4. Oi Loma, voltei, meu descanso do blog acabou kkk
    Puxa vida, eu ando direto no Face e ñ vejo vc lá, enfim ... :(
    Olha eu adorei esse post, livro muito instrutivo
    Conheço pessoas q tem medo do glúten e na vdd nem entendem direito o que é e outros já tem outra neura, insistem q tem intolerância a glúten sem nunca terem feitos exames q confirmem. Estamos vivendo na era da paranoia tbm , só Deus! Eu vi esse episódio dos Simpsons kkkk
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá,

    que interessante esse livro! Acredito que hoje em dia existe algo exagerado e desesperado em relação à alimentação.

    Beijos
    http://platinarosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Paloma!
    Sua resenha está simplesmente incrível! Eu gosto muito de livros nesse estilo, este deve trazer muitas curiosidades interessantes e abrir muito os nossos olhos à respeito da alimentação. Me identifiquei muito com sua história, antes eu também procurava comer menos possível, e depois acabava exagerando, mas agora também procuro ter uma alimentação balanceada aliada à exercícios e, quando como algo diferente, um doce ou outra coisa, não fico culpada. Este livro já está nos meus desejados <3
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com | Sorteio A Rainha Vermelha

    ResponderExcluir
  7. Oi, Paloma!
    Adorei a premissa do livro! Sou uma pessoa complexada com essas coisas também, principalmente se eu perceber que engordei. Mas a forma como autor parece esclarecer tudo é ótimo. Acredito que seja uma leitura bastante informativa e interessante.
    Ah, e que bom que se livrou da ideia de avaliar tudo o que comia.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Muito legal o post,amiga!
    Sabemos da alimentação ideal, hj temos informação!
    bjos e bom domingo!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  9. Gostei da resenha Paloma. Confesso que o livro não faz muito o meu gênero, mas não deixa de ser uma leitura interessante. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  10. Muito legal, existe muita paranoia hoje em dia, pessoas seguindo dietas de pessoas intolerantes sem ser. Acredito que tudo na vida é equilíbrio, nada de exageros!
    Beijos,
    Blog Não Vivo Sem Livros

    ResponderExcluir
  11. Esse livro parece ótimo mesmo, bem informativo. Espero encontrá-lo por aqui. xD

    Beijo!

    ResponderExcluir
  12. Olá Paloma, tudo bem? Adorei a resenha e principalmente o fato do livro acabar com essa mania de que nada mais pode. Amei a dica!
    Bjs❤
    Abrir Janela

    ResponderExcluir
  13. Eu adorei a resenha do livro, eu acho extremamente importante livros que descrevem e abortam mais aprofundados os temas de alimentos em geral.
    Tudo porque nos artigos da internet você não encontra quase nada.
    Adorei o livro e de saber mais sobre o glúten.
    Beijos. ♥

    Diário da Lady

    ResponderExcluir
  14. Esse não é o tipo de livro que eu gostaria de ler no momento. Mas reconheço que ele é muito interessante e que vale a pena ser lido.
    Mil Beijos!
    http://pensamentosdeumageminiana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. fiquei super curiosa pra ler o livro! hoje em dia tem tanta informação que uns são a favor, outros contra que a gente fica até meio perdida em quem confiar!

    www.blogamorarosa.com

    ResponderExcluir
  16. Oiiii Paloma, tudo bem?
    Adorei a resenha e o tema abordado no livro.
    Eu já tive bulemia e anorexia e sei bem como é complicado tudo isso. As pessoas falam que algo engorda e faz mal, mas não percebem que as vezes o que mais faz mal é essa opinião ignorante de algumas pessoas.
    Mas infelizmente eu não posso comer glúten e nem lactose. Tenho intolerância aos dois. na verdade, o que eu posso comer sem passar mal é uma lista bem pequena :( Mas como eu queria poder ir na padaria e comer um pãozinho sem passar mal. E gente que pode não dá valor a esse prazer :(
    Beijoooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Curioso esse livro.. mas e se esse autor estiver errado? pelas minhas contas tem 5 PHD's contra o glúten e só esse autor (PHD tbm) contra.. hum

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá André! Ele escreveu o livro baseado em várias pesquisas. Sim... vale ler. Compre para ter uma melhor visão sobre o trabalho dele. Espero que goste.

      Excluir

Tecnologia do Blogger.