Resenha- Hani Hamrita- Como é grande o meu amor por você- E.Chérri Filho

Filho, E. Chérri. Hani Hamrita: Como é grande o meu amor por você /E. Chérri Filho. São Paulo, SP: Chiado Editora, 2013.
O outono em New York se apresentou diferente naquele ano.
A natureza com suas lindas folhas em tons avermelhados criou um cenário perfeito para os apaixonados. Foi neste cenário que o destino reescreveu a história de Adam Gregório, apresentando-lhe Hani Hamrita.Seu olhar o resgatou de uma vida cotidiana, sem grandes acontecimentos. Não poderia imaginar que aquele encontro modificaria para sempre o rumo de sua existência. Um amor avassalador, capaz de transpor montanhas. Este livro não é apenas um romance. São páginas que relatam a história verdadeira de um americano que renunciou a tudo, ultrapassando as barreiras do limite, por amor a uma linda afeganistã. Essa obra é um convite à reflexão: Você já se permitiu tocar o amor? Passamos a vida esperando que o amor nos toque, nos transforme, mas se o amor estiver à espera do seu toque? É no olhar para além de si que pode estar a resposta que tanto procura.
Adam Gregório ousou tocar o amor e viu sua vida transformada pela força deste toque. Uma história emocionante, com um final surpreendente!

Classificação:


Ficha Técnica
ISBN-10: 9895105479
Ano: 2013
Páginas: 303
Idioma: português 
Editora: CHIADO PORTUGAL
Onde Comprar? Site Chiado Editora

Notas
Capa: 10/10
Conteúdo: 10/10
Diagramação: 10/10
Conceito Geral: 100/100
O doce amor de Hani
Por Paloma Viricio
Visão Geral
Hani Hamrita foi um presente imenso para mim. Sou apaixonada por livros com temas que envolvam o oriente, quando a obra mistura o ocidente também fica melhor ainda. E que livro sensacional Chérri criou. A forma como o autor escreve é única, especial. Dificilmente encontrei um outro livro assim como esse. Um romance embebedado em pura poesia com descrições que te fazem viajar. “O cheio do outono lembrava uma mistura de maçã com canela. O dia estava com um clima leve, agradável para caminhar. Eles conseguiam ouvir o tilintar das folhas secas, que os levou a mais um momento de reflexão”, p. 99.

O livro me lembrou em diversas vezes um cenário de peça. Inclusive a escrita de Chérri Filho me fez recordar o modo de escrever do grande mestre Shakespeare, só que se me permitissem dizer, de uma forma mais leve, contemporânea e despojada. Achei muito interessante ver o contraste, choque cultural que as meninas (Hani e a irmã) tem quando são obrigadas a voltar para o Afeganistão. Vivendo a maior parte da vida em Nova Iorque, elas não imaginavam os problemas sociais que encontrariam no país de origem. “Hani concorda com a cabeça, mas em seu coração existe uma porção de dúvidas(...) Seu coração se sente tentado em investir em vidas, pessoas, histórias. Existe muita dor em seu novo mundo. Como conviver ignorando tudo isso?”, p.170.  A tradição é uma desgraça em muitos países, tiro sempre como exemplo a Turquia, que ainda tem que enfrentar isso em algumas regiões mais conservadoras.


Outro ponto que me chamou bastante atenção foram as matérias de jornais inclusas no contexto literário. Elas fizeram com que a trama ficasse ainda mais real. Aliás, para aqueles que não sabem, o livro é inspirado em fatos reais. Não tenho palavras para descrever o quando Hani e Adam mexeram comigo. Que trama espetacular. Cada pedacinho do livro é extremamente emocionante. Não somente os personagens principais são bem construídos, como todos os outros porque eles realmente são utilizados com excelência durante a trama. Além disso, o autor sabe mexer com nossos sentimentos de um jeitinho só dele. “Se as águas e as montanhas se misturam em férteis vales e se os poetas afegãos são capazes de encontrar palavras suaves na tradição clássica persa ou pastum, a geografia, a terra, o clima, a história, os costumes, as condições de vida estão sempre a nos lembrar da dificuldade que é nascer afegão”, p.137.

A realidade é mostrada de forma nua e crua. E vemos como muitas vezes esses povos do oriente são ridicularizados pelos Estados Unidos sem nenhuma chance de defesa. Esses dias, um grupo de amigos iniciou um debate sobre o racismo nos States. E daí todos citaram somente o racismo contra os negros. Fui eu a responsável por lembrar que também há racismo por parte deles com latinos e orientais. Parece que todo mundo que vem do oriente é tido como potencial homem bomba por eles. Complicado... o mundo precisa de regeneração urgente! “O governo americano não estava preocupado onde eles ficariam. Queria somente se livrar de cada um deles, como resposta ao povo americano. O radicalismo estava camuflado com pavor, ódio e preconceito, sentidos por toda uma nação, ignorando a constituição norte-americana, que sempre se gabou por sua democracia”, p.120.


Um ponto que me incomodou um pouco foi o fato de encontrar alguns capítulos um pouquinho grandes demais. Quem me acompanha, sabe que não curto muito brochuras com capítulos extensos. Com isso, até mesmo as várias divisões extras que encontramos no livro poderiam ser evitadas. Outro detalhe que devo alertar é o cuidado com o tempo verbal na narração. Pode soar estranho misturar presente e passado. Entretanto, isso não desmerece o trabalho do autor. Li a obra muito rápido, de uma tacada só. Pretendo relê-la algum dia. Hani Hamrita foi lançado pela Editora Chiado Europa e Brasil, faz parte da coleção viagens na ficção. Um livro simplesmente sensacional, muito bem escrito e construído de forma impar que poucos autores atuais conseguem fazer.  “A noite estava fria no Afeganistão, e o céu, claro e iluminado pelas estrelas e por uma lua brilhante quase perolada. Em dois extremos, lá estava Hani, sentada na parte de fora da casa. O destino a desafiara. E ela parecia saber até onde poderia suportar. Ainda jovem, passando por tamanhos problemas, seu temor era saber se algo pior poderia acontecer. Dentro de si, diante das incertezas das correntezas da vida, cultivava uma força extraordinária alimentada por toda forma de esperança e fé”, p.153.

Design e Diagramação
A capa do livro ficou muito linda! Não imagino outra capa que pudesse representar melhor a história. É um dos pontos fortes, eu particularmente amo capas pretas! O miolo foi impresso em papel pólen, agradável para a visão. As letras, espaçamentos estão muito bem colocados. Também não encontrei nenhum erro de revisão. Perfeitinho!

Sobre o autor
E. Chérri Filho nasceu em São Paulo. Jornalista, roteirista e escritor, é autor de diversos romances e do roteiro de um documentário sobre o grupo musical Mamonas Assassinas. Trabalhou em veículos de comunicação em Washington, D. C. (Estados Unidos) e em Trento (Itália). Atuou como roteirista junto ao apresentador Fausto Silva e ao diretor de TV Roberto Manzoni, o “Magrão”, no SBT. Fonte: Skoob.

Veja também:

Postagens com temas relacionados:

Licença Creative Commons
O trabalho O doce amor de Hani dPaloma Viricio foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 3.0 Brasil.
Obs.: Todos os textos produzidos neste blog são da minha autoria e estão registrados. Se utilizá-los, por favor lembre-se dos créditos.  

15 comentários:

  1. Oi Paloma, tudo bem?
    Nossa, confesso que o livro, à primeira vista, não chama minha atenção... Mas o fato de você ter gostado tanto dele, me deixou curiosa. Nunca li nada com temática do oriente, até onde me lembro. Seria ótimo poder começar ;)

    Thati Machado;
    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir
  2. Parece ser uma boa história, mas não é do tipo que eu goste de ler.

    Beijos/Xoxo.

    Anete Oliveira
    Blog Coisitas e Coisinhas
    Fan Page Coisitas e Coisinhas
    Instagram

    ResponderExcluir
  3. Oi, Paloma!
    Adorei sua resenha. Percebe-se que você realmente gostou do livro.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Promoção Quatro Anos de Minhas Escrituras

    ResponderExcluir
  4. Oi,
    Confesso que não conhecia o livro, mas fiquei bastante curiosa para entender porque Hani e Adam mexeram tanto com vc.
    Bjs!
    Fadas Literárias

    ResponderExcluir
  5. É bom ver livros que fogem da modinha de vampiros e hot
    http://omliteratura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Paloma seu post está tão bem escrito e especificado;
    Que já dá para decidir se compro ou não o livro k.
    Boas resenhas são assim...
    Agradeço pela sua visita lá pela casa os posts são uma vez
    ao mês mas apareça quando quiser.
    Boa continuação de semana.
    Abraços
    janicce.

    ResponderExcluir
  7. Já queroooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!

    http://mundo-mikas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. fiquei curiosa

    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  9. Olá, Paloma.
    Eu amei a sua resenha e já quero ler esse livro. Gosto muito de conhecer outros países e outras culturas através dos livros. E esse me pareceu ser ótimo. A capa é linda. E que surpresa o autor ser nacional.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  10. Oii!!

    Esse não é meu tipo de livro favorito, mas gostei da sua resenha. Muito boa!

    Beijos,
    Natália.

    www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oiii

    Livros com capítulos grandes demais às vezes cansam um pouco, mas achei a história muito interessante, amo ler sobre essa mistura de culturas, ou melhor, um choque entre culturas mesmo. E o Oriente Médio ainda é um lugar quase mistico, que desperta a curiosidade de grande parte de nós.

    Beijos

    Alice and the Books

    ResponderExcluir
  12. Oi Paloma,
    Parece ser um livro muito interessante, não conhecia!
    Já estava achando estranho um título desse com a capa, mas ao descobrir que é nacional entendi o motivo.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?
    Menina, não conhecia o autor e nem o livro, mas a história parece apaixonante.
    Amei a resenha, já coloquei o livro na minha lista.
    Beijos!

    Http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.